Artigos

Crédito à vista: inadimplência nos condomínios pode diminuir em 2024

Leo Mack é COO e cofundador da uCondo

Por:Leo Mack 03/02/2024 2 minutos de leitura
condominio-inadimplencia
“As mudanças no cenário financeiro nacional podem impactar a administração dos condomínios”, afirma Leo/ Crédito: Gustavo/AdobeStock

Publicidade

A inadimplência nos condomínios brasileiros, influenciada por fatores econômicos e sociais, tem se mostrado um desafio recorrente para o País. Mas em 2024 essa situação pode mudar.

Dados recentes da uCondo mostram que 4 mil condomínios conectados à plataforma encerraram 2023 com um índice de inadimplência de 24,04%, um aumento considerável desde 2020. Naquele ano, a taxa foi de 14%, enquanto em 2021 e 2022, as taxas foram de 16% e 20%, respectivamente. 

Porém, as mudanças no cenário financeiro nacional podem impactar a administração dos condomínios. É o que apontam os dados da Federação Brasileira de Bancos (FEBRABAN). De acordo com Pesquisa de Economia Bancária e Expectativas realizada pela entidade em dezembro, a projeção de crescimento da carteira de crédito total (valor dos empréstimos concedidos pelos bancos para pessoas físicas e empresas) para o ano aumentou para 8,5%, enquanto 2023 ficou em 6,9%.

O otimismo da FEBRABAN em relação ao crédito está ligado à queda das taxas de juros. Com a perspectiva de facilitação do acesso ao crédito em 2024, existe a possibilidade de que os devedores consigam assumir suas dívidas, o que pode impactar diretamente a taxa de inadimplência em condomínios. Afinal, é plausível que parte desses inadimplentes possa regularizar suas pendências.

Publicidade

Para não depender exclusivamente das taxas dos bancos, existem três estratégias para as administradoras enfrentarem a inadimplência em condomínios: 

A primeira delas é implementar uma boa gestão do fluxo de caixa. Isso envolve um controle minucioso das receitas e despesas, incluindo o pagamento de fornecedores e serviços como água, gás e energia. 

E não dependa do Excel ou qualquer outro recurso manual para realizar esse fluxo de caixa. Fazer a contabilidade manualmente está a apenas um passo de errar os números e bagunçar as finanças do condomínio. 

A segunda estratégia para driblar o atraso e a falta do pagamento de taxas condominiais é fazer o monitoramento e previsão de inadimplência. Como? Com base na taxa de inadimplência do ano passado, estima-se a inadimplência deste ano.

Publicidade

Tomar conhecimento e analisar a realidade financeira do condomínio possibilita a adoção de medidas preventivas e a inclusão da inadimplência no planejamento financeiro para que não falte dinheiro para o pagamento das contas.

A terceira estratégia é estar em conformidade legal e fazer uso de proteções para o condomínio e para a administradora. Isso significa seguir rigorosamente a legislação e contratar seguros contra incêndio, contra processos civis e outros seguros que a administradora julgar necessário para mitigar riscos financeiros.

Em resumo, o cenário de inadimplência nos condomínios brasileiros pode sofrer influência direta das mudanças na economia e no acesso ao crédito. Administradoras e condomínios devem adotar medidas proativas, como uma gestão eficiente de fluxo de caixa, previsão de inadimplência e a implementação de proteções legais e seguros para garantir sua estabilidade econômica.

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Preço dos imóveis deve subir menos em 2022; entenda como ficará o mercado

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Consumidor já busca renegociação de imóveis comprados na planta

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Rio de Janeiro tem alta de 4,62% no preço do metro quadrado no 2º tri

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Prefeitura de São Paulo define limites para barulho de obras na cidade

2 minutos de leitura