Indicadores Estadão Imóveis
FGV IBRE: 
4.2%
FIPEZAP: 
0.57%
ICON: 
1.84%
IGP-M: 
0.60%
INCC: 
2.16%
PMI: 
44.1%
IMÓVEIS

Buscando sugestões para:


Página inicial / Arquitetura Sustentável / Saiba o que é design passivo e como ele ajuda na sustentabilidade

Saiba o que é design passivo e como ele ajuda na sustentabilidade

Tendência da arquitetura sustentável, a técnica propõe alternativas não artificiais para regular o conforto térmico dos ambientes


Da Redação

26/01/2021 - 2 minutos de leitura


A técnica pode ser implementada a qualquer momento, mas o ideal é que ela faça parte da construção desde o desenvolvimento do projeto/ Foto: Getty Images
Inscrições abertas para o Ve...

13/07/2021 03:00 até 01/08/2021 02:00


Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.
Quero me cadastrar para receber informações relevantes por e-mail. Fique tranquilo, não fazemos SPAM.

O conceito de design passivo surgiu em 1990, na Alemanha, visando especificamente integrar edifícios com os recursos disponíveis na natureza, e, desde então, a ideia vem sendo cada vez mais usada em um mundo preocupado com a sustentabilidade na arquitetura.

O design passivo busca utilizar fontes naturais de aquecimento e refrigeração para manter uma temperatura adequada no ambiente, ou seja, um clima confortável sem o uso de energia elétrica.

Na Alemanha, as residências que passaram a implementar o procedimento reduziram em até 40% a utilização de aquecimentos auxiliares ou arrefecimento.

As alternativas de aquecimento ou refrigeração de residências consistem em aproveitar a posição dos ventos ou a incidência solar para regular naturalmente a temperatura interna.

Além disso, o projeto está diretamente conectado com a sustentabilidade porque não faz uso de recurso artificial, como energia elétrica, aquecedores ou ar condicionado, diminuindo as emissões de gases de efeito estufa. 

Implementação do design passivo

A técnica pode ser implementada a qualquer momento, mas o ideal é que ela faça parte da construção desde o desenvolvimento do projeto.

Isto porque é fundamental observar elementos como terreno, local em que o sol nasce e se põe, o vento, estilo de telhado, as disposições das paredes e janelas e até a melhor tecnologia de piso a ser usado para regular a temperatura de acordo com o clima da região.

Apesar disso, reformas substanciais também podem trazer algumas soluções, como adicionar claraboias, vidros e isolamento, por exemplo.

Caso planeje adquirir uma casa ou um apartamento, você pode analisar condições de conforto térmico como posicionamento de janelas, local em que sol nasce e se põe e piso, para avaliar se existem propostas do design passivo no imóvel de interesse

Vale considerar, por exemplo, a localização do terreno com relação aos pontos cardeais. A configuração deve ser: áreas sociais voltadas ao norte (onde há maior retenção de calor) e a cozinha para o sul, isso porque ela normalmente é o ambiente mais quente da casa.

Além disso, uma boa análise ou orientação reduz a necessidade de aquecimento e arrefecimento auxiliar, e melhora o acesso solar para painéis de energia solar fotovoltaica e água quente, por exemplo.

Investimento

Investir na implementação do design passivo não necessariamente gera aumento de gastos, principalmente se feito durante as fases de criação do projeto. Há casos em que o custo pode, inclusive, ser reduzido.

Mas os sistemas passivos ocasionam redução de consumo de energia de 30 a 60%, o que, ao longo dos anos, cobre o valor de todo o investimento feito.

Por isso, o projeto passivo pode ser considerado uma alternativa disponível para qualquer interessado em economizar, garantir conforto e, ao mesmo tempo, promover a sustentabilidade ambiental.

AVALIAR ESSE ARTIGO
Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login


Notícias relacionadas