Aluguel

Barueri tem o aluguel residencial mais caro do Brasil, de acordo com Índice FipeZAP+

Levantamento indica que aluguel residencial no País registrou valorização de 16,55%

Por:Breno Damascena 23/01/2023 2 minutos de leitura
aluguel-residencial-barueri
O preço médio do aluguel na cidade paulistana é de R$ 50,56 por m²/ Crédito: Getty Images

Publicidade

A cidade de Barueri, no interior de São Paulo, tem o metro quadrado de imóvel residencial para alugar mais caro do Brasil, segundo o Índice FipeZAP+ de Locação, divulgado pelo DataZAP+ em dezembro. O preço médio do aluguel é de R$ 50,56 por m². Só em 2022, o município registrou valorização de 23,27%, a quinta maior do País. Ao todo, o aluguel residencial no Brasil registrou valorização de 16,55%

Os maiores registros de crescimento foram vistos em São José (SC), que teve alta de 42,41%; Florianópolis (SC), com 30,56%; Goiânia, com 32,93% e Curitiba (PR), com 24,47%. O Índice, que acompanha preços de aluguel de imóveis residenciais em 25 cidades brasileiras, apontou alta de 0,88% em dezembro de 2022, mantendo a tendência de crescimento, registrada no mês anterior com 0,79%. 

Entre as capitais, o valor do aluguel residencial mais caro foi encontrado em São Paulo, onde o metro quadrado custa em média R$ 45,50 e a alta anual foi de 14,63%. Entre as capitais, Recife vem em segundo lugar, com R$ 41,68/m². Florianópolis está em terceiro, com R$ 38,81/m². 

CidadePreço/m²Crescimento em 2022
Barueri (SP)R$ 50,5623,27%
São Paulo (SP)R$ 45,5014,63%
Recife (PE)R$ 41,6817,07%
Santos (SP)R$ 38,9612,00%
Florianópolis (SC)R$ 38,8130,56%
Rio de Janeiro (RJ)R$ 37,7817,93%
Brasília (DF)R$ 37,119,15%
São José (SC)R$ 34,7242,41%
São José dos Campos (SP)R$ 32,6820,90%
Praia Grande (SP)R$ 32,2716,12%
Belo Horizonte (MG)R$ 30,6620,01%
Santo André (SP)R$ 30,2112,43%
Salvador (BA)R$ 29,6916,56%
Curitiba (PR)R$ 29,6224,47%
Guarulhos (SP)R$ 29,5211,16%
Porto Alegre (RS)R$ 27,6811,14%
Campinas (SP)R$ 26,7319,68%
São Bernardo do Campo (SP)R$ 26,218,32%
Goiânia (GO)R$ 26,0932,93%
Joinville (SC)R$ 25,1610,98%
Niterói (RJ)R$ 24,5418,44%
Fortaleza (CE)R$ 23,0521,33%
Ribeirão Preto (SP)R$ 20,4817,83%
São José do Rio Preto (SP)R$ 19,2816,27%
Pelotas (RS)R$ 16,162,37%
Fonte: FipeZAP+, IBGE, FGV e Banco Central do Brasil.

“Em termos de perspectiva histórica, trata-se do maior resultado anual apurado pelo índice desde 2011, período em que os preços de locação se elevaram, em média, 17,30%”, relembra Pedro Henrique Tenório, economista do DataZAP+. “O bom desempenho de 2022 é reflexo da melhora no mercado de trabalho, além da retomada das atividades e da queda de desemprego no 1º semestre do ano”, comenta.

Publicidade

Ele afirma ainda que o mercado de aluguel foi impulsionado pela economia. “No segundo semestre houve injeção de recursos, o que causou reflexos positivos no PIB. O cenário possibilitou que os locadores elevassem os preços para quem aluga.”

Para 2023, no entanto, a expectativa de Tenório é que o crescimento seja em um ritmo menor. “A inflação deve ser mais contida. PIB e mercado de trabalho devem se estabilizar. O preço não deve continuar crescendo nessa taxa tão alta”, acredita.

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

13º salário é opção para quem pretende comprar imóveis?

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Quartos vazios de hotéis viram escritórios na quarentena

2 minutos de leitura
Imagem destacada

O que é uma fazenda vertical e como criar uma em casa?

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Caixa põe o pé no freio nas liberações de crédito imobiliário no fim do ano

5 minutos de leitura