Prêmio Top Imobiliário

Top Imobiliário 2021: Lopes acelera atuação digital

Empresa aumenta investimentos em portal, ferramentas e inteligência artificial

Por: Heraldo Vaz, especial para O Estado de S.Paulo 24/06/2021 3 minutos de leitura
Com assinatura digital, cliente fecha o negócio na tela do computador/ Grédito: Getty Images

Publicidade

A primeira onda da pandemia, em 2020, carregou pessoas para o isolamento social e acarretou restrição geral para atividades econômicas, disseminando o trabalho remoto. Neste ano, a segunda onda também fechou estandes de vendas, em março e abril, e adiou lançamentos de novos edifícios em São Paulo.

“A grande diferença é que aprendemos a trabalhar”, diz a diretora comercial da Lopes Consultoria Imobiliária, Mirella Parpinelle, citando uma das lições da covid-19. “Corremos com a transformação digital e estamos mais preparados para atuar com plantões fechados.”

Na categoria Vendedoras, a Lopes conquistou, mais uma vez, o título de campeã do Top Imobiliário. Segundo dados da Empresa Brasileira de Estudos de Patrimônio (Embraesp), em 2020 a imobiliária lançou 39 empreendimentos, com 52 torres e 7.811 unidades em São Paulo, com valor geral de vendas (VGV) de R$ 3,9 bilhões. O tíquete médio foi de R$ 500 mil por apartamento.

Ferramenta

Com a covid-19, a imobiliária precisou se adaptar à nova realidade, apostando em inteligência artificial e ferramentas para atendimento dos clientes. Mirella lembra que, com a oferta de ações em 2019, “a Lopes captou o dinheiro antes da pandemia, e convergiu o investimento para essa transformação digital”, sob o comando do Lopes Labs, departamento com cientistas de dados, especialistas em computação e tecnologia da informação. 

Publicidade

“Hoje, com assinatura digital, o cliente fecha o negócio na tela do computador”, diz ela. As visitas ao blog e portal da Lopes tiveram aumento de 258% no ano passado, atingindo a marca de 1,9 milhão de acessos no quarto trimestre. “É um crescimento expressivo da presença online”, afirma. 

Mirella não tem a menor dúvida de que haverá cada vez mais produtos destinados ao programa Casa Verde e Amarela (CAV), que substituiu o extinto Minha Casa Minha Vida. Certas regiões são mais propensas para fazer CVA do que outro tipo de projeto. Amparadas pelo Plano Diretor e pela Lei de Zoneamento de São Paulo, as Habitações de Interesse Social (HIS) e de Mercado Popular (HMP) permitem maior adensamento, com apartamentos menores e sem vagas de garagem.

“Vamos ter muito lançamento de HIS e HMP”, diz Mirella, falando do pipeline de R$ 7,3 bilhões esperado para este ano, segundo o balanço da Lopes, que prevê a concretização de um terço ainda no primeiro semestre.

Para atuar nesse segmento, tem duas frentes, a Habitcasa e a Lopes Econômico. “Trabalhamos juntos”, afirma, ao destacar o crescimento contínuo dos produtos para a base da pirâmide social. “Neste período de pandemia, gente que estava acima caiu para essa faixa de renda.”

Publicidade

MAP

Mirella nota um movimento maior na oferta de imóvel de 90 m² a 120 m² e também acima de 150 m², destinado “a pessoas que estão melhorando de vida e buscam um apartamento mais confortável”. Ela cita o caso de Perdizes. “É um bairro que ficou adormecido por muito tempo.” Agora, apresenta projetos nessa metragem. “Em média, o preço varia de R$ 12 a 15 mil o m².”

Outro exemplo citado é o H.I. Pinheiros, com duas ou três suítes, de 151 m² a 178 m². “Vendemos a R$ 18 mil por m²”, afirma. O preço sai a partir de R$ 2,8 milhões. Nos Jardins, há um empreendimento da MOS Incorporadora, responsável pela incorporação, pelo projetos de arquitetura e de interiores, com paisagismo de Ricardo Cardim. Localizado na Melo Alves, 645, terá uma torre, de 29 pavimentos, com 96 apartamentos, de 134 m² e 196 m². “Estão lançando a R$ 30 mil o m²”, conta a diretora da Lopes. “É um altíssimo padrão”, ressalta.

Financiamento

A Credipronto é um dos destaques no balanço da Lopes. Combinando o cenário de juros baixos com modalidades de crédito e serviços, apresentou recorde no volume financiado: R$ 3 bilhões no ano passado, representando um aumento de 83% em comparação com o resultado de 2019. 

“A Credipronto é o reflexo do nosso mercado com essas taxas de juro que baixaram, facilitando a entrada de um grande número de clientes”, declara Mirella. Ela salienta que o período de pandemia, já durando mais de um ano, valorizou a importância do imóvel como um porto seguro. “Principalmente para quem ficava muito concentrado em papéis e outras aplicações com tão baixos rendimentos”, afirma.

Publicidade

Conteúdo originalmente publicado em https://economia.estadao.com.br/noticias/geral,top-imobiliario-2021-lopes-acelera-atuacao-digital,70003756791

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

O proprietário pode entrar no imóvel alugado em que estou morando?

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Preço do aluguel acumula quarta alta consecutiva e acelera em outubro, aumento foi de 0,57%

5 minutos de leitura
Imagem destacada

Retrofit de prédios ganha nova lei em São Paulo que pode facilitar os investimentos

4 minutos de leitura
Imagem destacada

Shoppings centers vazios em grandes capitais viram alvo de fusões e aquisições

6 minutos de leitura