Voltar
IMÓVEIS

Buscando sugestões para:


Página inicial / Notícias / Fluxo urbano do lado de dentro

Fluxo urbano do lado de dentro

Novos projetos para edifícios comerciais incorporam tecnologias e arquitetura inovadora a fim de otimizar o tráfego intenso de pessoas


Hysabella Conrado

10/01/2020 - 4 minutos de leitura


Os elevadores inteligentes melhoram a demanda da circulação vertical/ Foto: Divulgação

O Mirante do Vale, edifício mais alto de São Paulo, localizado no centro da cidade, é uma estrutura de 170 metros que abriga escritórios, restaurantes e conjuntos residenciais distribuídos em 51 andares. Mas entrar num elevador com dez pessoas e aguardar até que ele atinja o Terraço Itália, por exemplo, no 46º andar do segundo edifício mais alto da cidade, pode ser um exercício de paciência… E de baldeação, já que são necessários dois elevadores diferentes para acessar os restaurantes no topo do prédio.

Filas para o elevador e aglomerações na recepção eram comuns, mas novos projetos já incorporam soluções para mitigar os efeitos do fluxo intenso não só dentro dos edifícios mas também o impacto fora deles e no entorno, como os carros que se acumulam em filas duplas para embarque e desembarque de pessoas. “Quando um grande edifício está sendo projetado, é preciso levar em consideração todos os tipos de mobilidade urbana que existem hoje e pensar como eles vão se conectar”, explica o arquiteto Fernando Moliterno.

Para ele, o tráfego gerado pela intensa demanda de acesso aos complexos comerciais e mistos poderia ser minimizado pelo zoneamento da cidade, criando áreas mais ricas e bem atendidas. Quanto mais usos diferentes tiver uma mesma região, menores serão os problemas de mobilidade. Isso porque o acesso a serviços diversos se torna possível sem a necessidade de percorrer longas distâncias.

Inovações que aceleram o passo

Mas, quando se trata do interior de grandes edifícios, entrar e sair, subir ou descer e a maneira como o fluxo é orientado pela estrutura são questões que perpassam os projetos dos prédios que receberão milhares de pessoas por dia. Se as portas giratórias já foram uma inovação facilitadora, hoje não são mais, de acordo com o arquiteto. “Elas são muito ruins para a acessibilidade. Não adianta ter uma passagem que afunila o acesso das pessoas.” A alternativa são os elevadores inteligentes que melhoram a demanda da circulação vertical.

Ter um lugar para estacionar o patinete ou para o atendimento de táxis e carros de aplicativo são pontos cruciais e influenciam diretamente a mobilidade urbana. Em alguns prédios comerciais já é possível ser direcionado para um elevador em que todas as pessoas vão para andares próximos ou o mesmo que o seu. Para isso, basta passar o crachá na catraca. “Isso elimina uma série de etapas e resolve o problema do acúmulo de pessoas no acesso aos elevadores”, explica Paulo Henrique Estefan, porta-voz da thyssenkrupp Elevadores.

Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.
Quero me cadastrar para receber informações relevantes por e-mail. Fique tranquilo, não fazemos SPAM.

A maior novidade no segmento são os elevadores sem cabo. Se antes o equipamento de transporte tinha um limite de altura para subir e comprometia o fluxo nos prédios mais altos, o novo modelo acaba com a necessidade de baldeação para chegar ao topo. “Agora é possível subir a qualquer altura com o mesmo elevador e isso muda completamente o que nós entendemos como arquitetura”, explica Estefan.

Em São Paulo, a inovação fica a cargo do edifício Birman 32, o projeto comercial em andamento na Avenida Faria Lima. O empreendimento terá os elevadores mais rápidos do País, capazes de percorrer até 7 metros por segundo. A previsão é de que sejam implementados oito elevadores com essa velocidade para atingir o topo de 125 metros da torre corporativa em 18 segundos.

Os equipamentos estarão conectados ao MAX, tecnologia desenvolvida em parceria com a Microsoft Azure. Com o novo sistema é possível detectar falhas antes que elas provoquem, por exemplo, uma paralisação da cabine. Isso reduz pela metade o tempo em que os elevadores ficam fora de operação, evitando interrupção do serviço. “Num prédio comercial nos preocupamos muito com a otimização do tráfego e do tempo das pessoas”, completa o representante da thyssenkrupp.

Fachada do Instituto Moreira Salles, na Avenida Paulista/ Foto: Bruno Fernandes

Projetos que valorizam a circulação de pessoas

Em São Paulo existem alguns projetos que foram desenvolvidos com o pensamento voltado para o impacto que o fluxo interno causa na mobilidade urbana. Para o arquiteto Marcel Budau, a sede do Banco Bradesco, localizada na Rua da Consolação, é o maior exemplo de construção que valoriza a circulação de pessoas. No lugar existe um térreo que se transformou em uma via de acesso entre a Consolação e a Avenida Angélica. Essa conexão entre as ruas é interligada por áreas comerciais e espaços de convivência.

Outro exemplo citado pelo arquiteto é a nova sede do Instituto Moreira Salles (IMS). O centro cultural fica na Avenida Paulista e propõe uma nova relação entre prédio e cidade. As pessoas acessam o edifício por um portão, mas, quando entram, se deparam com um térreo aberto. O acesso aos andares superiores é feito por uma escada rolante e é aí que tudo fica diferente. “Esse ponto de transição parece uma praça elevada no meio do edifício e traz uma visão privilegiada para a avenida, valorizando todo o paisagismo”, explica.

AVALIAR ESSE ARTIGO
Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login


Notícias relacionadas