Minha Casa Minha Vida & Programas Habitacionais

Com estímulo do Minha Casa, Minha Vida, Vinx Construtora vai lançar mais de mil apartamentos em 2024

Companhia especializada no segmento econômico prevê um crescimento de 50% este ano

Por:Breno Damascena 22/03/2024 2 minutos de leitura
vinx-construtora-minha-casa-minha-vida
Ronaldo Santoro, Diretor Comercial da Vinx Construtora, diz que unidades devem ser negociadas por valores entre R$ 260 e R$ 280 mil/ Crédito: Divulgação/Vinx Construtora

Publicidade

As mudanças aprovadas pelo Governo Federal no Minha Casa, Minha Vida em meados de 2023 vêm estimulando construtoras e incorporadoras a aumentarem o investimento no segmento econômico. É o caso da Vinx Construtora, que prevê o lançamento de cinco empreendimentos enquadrados no programa habitacional em 2024, visando um Valor Geral de Vendas (VGV) de R$ 455 milhões  

Todos os projetos estarão focados na Faixa 2, que abrange famílias com renda mensal de R$ 2.640,01 a R$ 4.400,00, e Faixa 3, que engloba famílias com renda de R$ 4.400 a R$ 8.000. Ao todo, a companhia deve lançar 1.200 unidades distribuídas pelos bairros Belém, Jabaquara, Butantã, Perdizes e Vila Prudente. Para isto, a Vinx tem R$60 milhões comprados em terrenos na cidade de São Paulo

+ Even: demanda vai ditar ritmo de lançamentos em 2024

“As unidades serão negociadas por valores entre R$ 260 e R$ 280 mil. E cada bairro tem algumas peculiaridades. O empreendimento em Jabaquara, por exemplo, pretende alcançar o público solteiro. São imóveis menores: estúdios ou unidades com um ou dois dormitórios. Já o prédio na Vila Prudente tem a proposta de atender famílias, com unidades de dois dormitórios”, contextualiza Ronaldo Santoro, Diretor Comercial da Vinx Construtora. 

Publicidade

Em 2023, a companhia realizou o lançamento de 500 unidades. Ronaldo afirma que as mudanças no MCMV e a nova legislação do Plano Diretor de São Paulo foram diretamente responsáveis pela expansão no número de unidades. “O programa estava desatualizado e os preços não atendiam mais o mercado, estavam estrangulando o poder de compra do consumidor. Muitas famílias queriam comprar, mas não conseguiam”, pontua. 

+ O que você precisa saber sobre o novo Minha Casa, Minha Vida

Além disso, a redução gradual da taxa básica de juros e o orçamento do FGTS ajudam a impulsionar o programa. “Focamos no segmento econômico porque é a camada que têm o maior déficit habitacional. Com o apoio do governo federal, estadual e municipal, a gente tem maior capacidade de empreender”, adiciona o executivo. 

Por incentivo do Plano Diretor, todos os terrenos estão próximos de áreas com boa oferta de transporte público. “Focamos na mobilidade urbana e o Plano Diretor ampliou nossa possibilidade para construir empreendimentos sem vagas de estacionamento. Também sempre pensamos em espaços com lazer completo e estrutura para que as pessoas consigam trabalhar de forma remota”, descreve Ronaldo.

Publicidade

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

O que é uma fazenda vertical e como criar uma em casa?

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Mercado imobiliário cresceu em 2021, mas teve queda no final do ano, diz CBIC

3 minutos de leitura
Imagem destacada

Itaim Bibi tem metro quadrado mais caro de São Paulo

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Apê11, imobiliária digital do Santander, busca driblar juros altos e crescer

2 minutos de leitura