A AHS, braço do Grupo MRV que trabalha com aluguel residencial nos Estados Unidos, está saindo da pandemia mais forte. Embora os últimos meses tenham sido duros para a economia global, a companhia se deparou com um inesperado aumento na procura de suas moradias tanto por inquilinos quanto investidores.


A demanda aquecida foi a deixa para a incorporadora decidir antecipar metas e acelerar seu plano de negócios, afirma o presidente da AHS, Ernesto Lopes, em entrevista exclusiva para o Broadcast.

A AHS compra o terreno, desenvolve o projeto e constrói o empreendimento. Depois de pronto, aluga os apartamentos, que têm como público-alvo famílias de classe média, como professores, policiais, comerciantes e profissionais autônomos. Lá fora o segmento é conhecido como multifamily.

Uma vez que o condomínio deslancha, a AHS atrai grandes investidores institucionais interessados na compra dos imóveis, que funcionam como uma fonte de renda recorrente por meio de contratos de aluguel corrigidos periodicamente pela inflação.

Diante do mercado aquecido, a AHS projeta atingir o nível de 5 mil apartamentos produzidos por ano a partir de 2022, algo que estava programado para 2023. A empresa também vê espaço para atingir o patamar de 5 mil unidades vendidas por ano a partir de 2024 ou 2025, e não mais em 2027 como seu plano original.

“A pandemia foi como um ‘black swan’ (cisne negro) que trouxe resultados positivos para nós”, afirma Lopes. A princípio, os locatários de apartamentos da AHS tiveram dificuldade de manter o pagamento do aluguel em dia. Como resposta, a companhia investiu na desocupação rápida do imóvel e locação para outras famílias interessadas.

Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.

“Tivemos o trabalho de identificar os inquilinos com dificuldades, perdoar dívida, auxiliar com mudança e liberar o apartamento para quem poderia pagar”, conta o executivo. “E a quantidade de pessoas trocando um aluguel maior por um aluguel menor foi muito maior do que aquelas pessoas incapazes de pagar”.

Como resultado, o valor médio do aluguel subiu de US$ 1.300 subiu para US$ 1.500 em 18 meses de pandemia, uma alta significativa de 15% em um país com tradição de inflação baixa. Os Estados Unidos tinham inflação de 1,4% antes da pandemia e bateram agora a marca de 5,4%. Já o índice que mede a variação dos aluguéis no País, apurado pelo Zillow Group, registrou alta de 9,3% em julho na comparação anual, indicando que a habitação está pressionando a inflação por lá.

Diante da demanda aquecida, os próximos passos da AHS abrangem o início de obras na Florida, Atlanta e Texas – regiões que estão no seu plano original de expansão – além da prospecção de terreno nos Estados de Colorado, Arizona e Virginia.

Um diferencial da companhia é a atuação de ponta a ponta, desde a compra do terreno até a construção e comercialização, o que gera economia com intermediadores, diferentemente de concorrentes no mercado local que atuam de forma mais segmentada. À medida em que expande suas obras, a AHS vai estudar a compra de uma fábrica de pré-moldados para não ficar dependente de fornecedores.

Leia o conteúdo completo em: https://economia.estadao.com.br/blogs/coluna-do-broad/ahs-braco-da-mrv-cresce-no-setor-de-aluguel-residencial-dos-eua/