A crise econômica resultante da pandemia do novo coronavírus acende diversos alertas no mercado imobiliário. A compra, a venda ou o aluguel precisam ser bem analisados, já que algumas opções podem ser mais atrativas do que outras, a depender da situação e o objetivo de cada pessoa.

Leia mais:
Condomínios mantêm rotina de funcionários durante quarentena
Senado aprova projeto que proíbe despejo de inquilino durante pandemia
Aposta no digital pode salvar venda de imóveis durante pandemia

O professor Michael Viriato, do Insper, avalia que o momento não é propício para vendas, uma vez que os preços tendem a cair em contextos de crise. Em contrapartida, para quem tem dinheiro para investir, essa é a oportunidade de fechar uma boa compra.

Num cenário de investimento, o coordenador do curso Desenvolvimento de Negócios Imobiliários da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Alberto Ajzental, explica que aplicar o dinheiro de uma venda em caderneta de poupança, por exemplo, não supera o retorno que uma locação de imóvel pode trazer. “É melhor ter o aluguel como renda fixa, porque as opções de (reinvestimento) são muito arriscadas.”

Os sintomas de instabilidade da crise já começam a ser sentidos pelo mercado. A  plataforma Kzas, criada no final de 2019, notou uma diminuição no volume de buscas no início da pandemia – em março no Brasil. Já nas últimas duas semanas de abril, a procura foi retomada. “Vínhamos dobrando o volume de visitas e vendas desde dezembro, e em março houve uma estabilização. Nas últimas duas semanas, percebemos uma nova melhora, fazendo uma média de duas vendas por semana”, diz Eduardo Muszkat, CFO da startup.

A imobiliária Lopes observa redução tanto das vendas como das locações. A impossibilidade de visitas pesa neste resultado, por isso a empresa aposta no digital. Márcia Escórcio, de 54 anos, realizou uma compra com a imobiliária logo após a venda do seu antigo apartamento, entre março e abril.

Para ela, a expectativa era de preços menores. “Eu tive flexibilidade (com o meu comprador), considerando a situação (de crise). E no caso dos meus vendedores eu acho que eles não usaram o mesmo critério”, avalia.

Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.
Quero me cadastrar para receber informações relevantes por e-mail. Fique tranquilo, não fazemos SPAM.

O Estado ouviu especialistas sobre os riscos e as vantagens antes de qualquer decisão no cenário atual. Confira a seguir.

É seguro investir em um imóvel na crise?

Adquirir um imóvel neste momento é um bom investimento, mas é necessário uma pesquisa profunda em busca de opções. A busca, inclusive, vem sendo facilitada pelas empresas que apostam no digital para fechar negócios online.

“Como em todos os momentos de crise, você pode encontrar situações interessantes para fazer uma aquisição com preços bastante reduzidos. Isso está acontecendo. Algumas pessoas precisam de dinheiro e acabam vendendo pelo preço que tiver”, diz Roberto Vertamatti, diretor executivo da Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade (Anefac).

O professor Viriato, do Insper, esclarece que deve investir na aquisição de imóveis quem possui muito capital disponível para comprar à vista, porque, com isso, tem-se poder de barganha. Do contrário, o comprador que precisar adquirir uma dívida alta e de longo prazo deve ter em mente o risco de demissões devido à economia fragilizada. Na avaliação dele, a alternativa mais vantajosa de investimento para quem possui dinheiro disponível são os fundos imobiliários, porque “você tem desconto, menor risco e liquidez”.

Veja mais dicas em https://economia.estadao.com.br/blogs/radar-imobiliario/imoveis-vender-alugar-ou-investir-durante-a-pandemia/