Voltar
IMÓVEIS

Buscando sugestões para:


Página inicial / Notícias / Violência doméstica em condomínios causa polêmica

Violência doméstica em condomínios causa polêmica

Especialistas discutem prós e contras de projeto que responsabiliza síndico e condôminos por denúncias de violência dentro dos apartamentos; para advogada, texto transfere responsabilidade do governo


Bianca Zanatta, O Estado de S. Paulo

06/08/2020 - 3 minutos de leitura


No condomínio onde a advogada Claudvanea Monteiro é síndica os divórcios e casos de violência doméstica aumentaram durante a pandemia/ Foto: Daniel Teixeira/ Estadão

Projeto de Lei 2.510/2020, aprovado no Senado e que propõe tornar responsabilidade do síndico e dos moradores denunciar casos de violência doméstica dentro dos condomínios, está dividindo opiniões. Além da obrigação de reportar ocorrências às autoridades, o texto prevê multa e aumento em 1/3 da pena caso haja omissão de socorro.

Leia mais:
PL do Senado muda regras de condomínios durante quarentena
Taxa de condomínio só pode ser alterada por decisão coletiva
Saiba o que é o distrato de imóveis

Proposto pelo senador Luiz do Carmo (MDB-GO) e já aprovado pelo Senado, o PL segue para tramitação na Câmara e, caso aprovado, ainda precisará de sanção presidencial para passar a valer.

A discussão acontece em um momento alarmante. De acordo com o estudo mais recente do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, os casos de feminicídio saltaram 22,2% entre março e abril, enquanto o número de denúncias de violência doméstica sofreu queda. O paradoxo evidenciado sugere que, por estarem confinadas com seus agressores durante a quarentena imposta pelo novo coronavírus, as vítimas não conseguem pedir ajuda.

A advogada Claudvanea Monteiro, de 45 anos, é síndica e moradora de um condomínio localizado na Água Branca, zona oeste de São Paulo. Com a intensificação do convívio e das tensões, o condomínio teve mais de dez divórcios ao longo da quarentena. Os casos de violência doméstica também saltaram aos olhos.

“Em um deles dava para ouvir os gritos de socorro da moça”, relata a síndica. Em outra ocasião, uma moradora saiu correndo do apartamento no meio da madrugada. A polícia foi acionada nas duas vezes.

Uma das dificuldades, diz ela, é identificar o momento de chamar as autoridades. “Já temos um padrão de conduta”, explica. “Os vizinhos informam a portaria e o responsável pela ronda vai até o andar verificar, então o porteiro liga para o apartamento e percebe se a situação está fora de controle pela voz de quem atende.”

Por ela mesma já ter sido considerada “inimiga” ao interferir em situações de violência nos apartamentos, inclusive com a vítima acolhendo novamente o agressor e passando a hostilizá-la, a síndica vê um problema grande no projeto de lei. “A obrigatoriedade de denunciar pode representar riscos para a integridade física dos síndicos”, diz. “Falta a extensão das medidas protetivas a todos os partícipes da denúncia.”

Assine nossa newsletter e receba por e-mail as principais notícias e dicas.
Fique tranquilo, não enviamos SPAM.
Quero me cadastrar para receber informações relevantes por e-mail. Fique tranquilo, não fazemos SPAM.

José Roberto Graiche Júnior, presidente da Associação das Administradoras de Bens Imóveis e Condomínios de São Paulo (AABIC), concorda que a lei pode fazer com que o próprio síndico passe a ser alvo de agressões.

“A lei é boa, mas não pode ser radical, no sentido de transferir tanta responsabilidade para o representante legal do condomínio.” Ele acredita que seja necessário pensar e estudar melhor as opções, mas sublinha a urgência na adoção de medidas por conta do crescimento visível, apesar de não registrado, no número de ocorrências.

“Houve a percepção de aumento de violência pelas reclamações dos condôminos”, afirma. “Tanto síndicos e funcionários como os próprios moradores recorreram às administradoras para saber como agir.” Além de campanhas e divulgação maciça de orientações dentro dos condomínios, ele reforça a importância de estabelecer critérios para denunciar, a fim de evitar a banalização do processo.

Papel do síndico e campanha de combate

Ampliar a discussão sobre o papel do síndico como um guardião da comunidade do prédio é um dos pontos levantados por Angélica Arbex, gerente de marketing da Lello Condomínios. O poder da própria comunidade é algo que a administradora vem reforçando desde o início do isolamento social.

“O que eu acho fundamental para o avanço (da discussão do PL) é que especialistas na vida em condomínio sejam ouvidos, que os casos reais sejam estudados”, diz ela, lembrando que o debate deve envolver condomínios grandes, pequenos, populares e de alto padrão.

À frente de um projeto de combate à violência doméstica desde 2019, Luciana Graiche, presidente do Grupo Graiche, lançou uma campanha em três etapas logo no início da quarentena. “Fizemos parcerias com alguns projetos que lutam pela causa e, quando veio o isolamento social e o primeiro índice saiu sobre o aumento da violência nessa pandemia, resolvemos, urgentemente, disparar toda a campanha.”

Leia a matéria completa em https://economia.estadao.com.br/blogs/radar-imobiliario/projeto-de-lei-sobre-violencia-domestica-em-condominios-causa-polemica/

AVALIAR ESSE ARTIGO
Você precisa estar logado para comentar.
Faça o login


Notícias relacionadas