Capa Principal

Guia de Bairros

Casa Verde

Por pouco, as terras que hoje abrigam o tradicional bairro da Casa Verde não foram do Império Espanhol em São Paulo

Por pouco, as terras que hoje abrigam o tradicional bairro da Casa Verde não foram do Império Espanhol em São Paulo. Isso quase aconteceu em 1641, quando os reinos de Portugal e Espanha romperam e os ibéricos residentes na então São Paulo de Piratininga escolheram o capitão-mor e ouvidor da Capitania de São Vicente, Amador Bueno da Ribeira, como seu legítimo representante no povoado.

Mas Ribeira, que era dono de uma vasta faixa de terra que se estendia do Ribeirão do Mandaqui às margens do Rio Tietê, não tinha apenas o DNA espanhol. O sangue indígena e lusitano também corria em suas veias. Isso o fez recusar a honraria e se manter fiel ao então monarca luso, Dom João IV. 

Mais de um século depois, o rico militar paulista José Arouche de Toledo Rendon se torna proprietário dos lotes de Ribeira, de quem era descendente. Há muita dúvida sobre a origem do nome do bairro. Mas a teoria mais aceita é a de que o nome deriva do apelido que as sete irmãs de Rendon receberam: as “moças da casa verde”.  

Em 1852, a propriedade muda de mãos, sendo adquirida pelo fazendeiro e comerciante Francisco Antonio Baruel, que anos depois a repassou para o inglês João Maxwell Rudge. Após sua morte, os herdeiros decidem lotear as terras.   

Em 21 de maio daquele ano, o primeiro pedaço é vendido. O empreendimento é denominado de Vila Tietê, mas o nome não pega e a população continua chamando a região de Casa Verde. Dois anos depois, os irmãos Rudge constroem uma ponte de madeira que liga o novo loteamento à várzea da Barra Funda. Em 1922, a Light inaugura a primeira linha de bondes conectando os dois lados do rio. E assim começa a nascer a Casa Verde que conhecemos hoje. 

A cultura e história do bairro podem ser conhecidas no Sítio Morrinhos, uma construção do século XVIII com uma arquitetura bandeirarista que hoje é sede do Centro de Arqueologia de São Paulo.

Assim como a Barra Funda, a Casa Verde abrigou muitos descendentes de escravos, grande parte deles das fazendas de Rudge e Baruel. Seus descendentes foram os fundadores das escolas de samba que têm sede no perímetro. Entre eles a campeoníssima Mocidade Alegre, Acadêmicos do Peruche, Império de Casa Verde e Morro da Casa Verde. De quase reinado espanhol, o bairro se tornou um dos reinos do samba de São Paulo. 

Nos dias atuais, a região vem cada vez mais se verticalizando, com novos edifícios e condomínios de médio e alto padrão, especialmente na região da avenida Braz Leme, nas proximidades da ponte da Casa Verde. Mas ainda mantém um certo ar de São Paulo antiga, com muitas casinhas de rua e vila, especialmente na área próxima à avenida Engenheiro Caetano Álvares. 

Mobilidade

Sem transporte coletivo de massa, as estações de trem ou metrô mais próximas do bairro são a Barra Funda das linhas 3-Vermelha, 7-Rubi da CPTM e 8-Diamante, do Consórcio Via Mobilidade, e Santana, da Linha 1 Azul. O ônibus é o melhor meio de chegar à Casa Verde. O distrito conta com um terminal instalado na rua Baía Formosa, esquina da avenida Engenheiro Caetano Álvares. Sete linhas partem dali ligando o território ao centro, Metrô Santana e bairros como Parque Tietê, Vila Penteado e Pirituba.

Educação

A Casa Verde não conta com grandes campus de instituições de ensino superior. Apenas os pólos, núcleos mistos de ensino presencial e à distância, das universidades Unip e Cruzeiro do Sul. No ensino técnico, o bairro se orgulha de abrigar uma referência educacional: a Etec Albert Einstein. Integrante do Centro Paula Souza, rede estadual de ensino profissionalizante, a escola disponibiliza os cursos do ensino médio integrado nas áreas de administração, desenvolvimento de sistemas, design gráfico, eletrônica, eventos, informática e serviços jurídicos.  

Entre os colégios privados do ensino infantil ao médio, destaque para a bilíngue Maple Bear e seu método canadense de ensino.  Outros particulares do bairro são Colégio Augusto Ramos, que conta com programa bilíngue da Cambridge University Press, Colégio Novo Tempo, o Nossa Senhora das Dores, administrado pelas Irmãs Escolares de Nossa Senhora, congregação católica de origem alemã, e o Colégio Liceu Carvalho Pinto.

Entre as escolas públicas estão a Escola Estadual Colombo de Almeida, a E.E. Padre Manoel de Nóbrega, o Centro de Educação Infantil Diret Casa Verde – Walter Abrahão, Escola Municipal Casa Verde e a Escola Municipal de Educação Fundamental Angelina Maffei Vita.

Saúde

O bairro não conta com grandes hospitais públicos e privados. A principal unidade de saúde do bairro é o Hospital da Força Aérea de São Paulo (FASP), que presta atendimento prioritário para os militares da Força, pensionistas e seus dependentes. 

Para quem tem convênio médico e necessita realizar procedimentos cirúrgicos e de alta complexidade, a opção mais próxima do bairro é o Hospital e Maternidade São Camilo, em Santana. Com mais de 250 leitos, oferece atendimento de urgência e emergência, inclusive com pronto socorro infantil. Conta também com um centro médico para consultas e exames, incluindo os de imagem. O complexo possui um centro de oncologia clínica, com área dedicada e equipe multidisciplinar, além do centro de infusão de medicamentos. Na Unidade Santana, são realizados todos os anos cerca de 1,1 milhão de exames, mais de nove mil cirurgias, 160 mil consultas no Pronto-Socorro, 121 mil consultas no centro médico e 15 mil internações.

Bem próximo ao São Camilo está o Conjunto Hospitalar do Mandaqui.  Inaugurado em 1938, foi a primeira unidade pública do estado especializada em tratamento de tuberculose, doença que na época tinha alta taxa de mortalidade. Com capacidade para cerca de 450 leitos, realiza atendimentos de urgência e emergência, clínica médica, clínica cirúrgica, pediatria, ginecologia, obstetrícia e ambulatório de especialidades. É também credenciado como hospital-escola, com residência médica certificada pelo MEC.

Em outro bairro próximo está o Hospital Maternidade Escola de Vila Nova Cachoeirinha (HMEC). Além dos serviços médicos e de emergência tradicionais, a unidade administrada pela Secretaria Municipal de Saúde é referência em atendimento a gestantes de alto risco obstétrico. Nessa área conta com 20 leitos distribuídos em cinco enfermarias, sala para exame, sala de estar – com televisão, dvd, sofás, livros e revistas para leitura – copa, refeitório e ambiente onde as pacientes recebem visitas. Desde 1999, o HMEC possui um ambulatório de Acupuntura, milenar terapia oriental que se utiliza de pequenas agulhas para aliviar dores, tensões e mal estar. Disponibiliza também a prática da meditação Tai Chi Pai Lin e técnicas corporais.

Ainda no segmento saúde pública, há na região as Unidades de Saúde Básica (UBS) Casa Verde; Casa Verde Alta Dr. Walter Elias, Centro de Atenção Psicossocial (CAPs) Casa Verde, além da Assistência Médica Ambulatorial (AMA) Parque Peruche e a AMA/UBS Integrada Massagista Mário Américo.

Lazer

A novidade no bairro foi a recente inauguração do Sesc Casa Verde. O empreendimento ocupa um antigo galpão de 45 mil m² que pertencia à rede varejista Riachuelo. Quando concluída, será a maior unidade da instituição na cidade. Na fase inicial, o Sesc Casa Verde conta com 12 mil m², que abrigam um espaço expositivo, salas de múltiplo uso, espaço de brincar, local para leitura, central de atendimento, loja Sesc, cafeteria e ambientes para convivência.       

Uma das portas de entrada da zona norte, a Casa Verde não conta com grandes parques públicos em seu território. Um dos melhores lugares para quem quer correr, caminhar ou fazer exercícios ao ar livre é o canteiro central da avenida Braz Leme, via que liga a ponte que leva o nome do distrito a Santana. O espaço conta com pista de corrida e ciclovia. Há também estações de bicicleta compartilhada e equipamentos de ginástica a céu aberto. Em 2022, o canteiro ganhou uma escultura em homenagem ao bicampeão olímpico e morador do bairro, Adhemar Ferreira da Silva. Com assinatura de Alex Hornest, a obra retrata o atleta com os dois braços para cima, em uma recriação de uma das suas posições de salto.

 A turma que gosta de praticar atividades esportivas ao ar livre tem à disposição o Centro Esportivo Mini Balneário Comandante Garcia D’Avila. Localizado no vizinho Parque Peruche, o mini-complexo oferece inúmeras aulas e atividades de esporte e lazer para a comunidade. O Centro Esportivo conta com ginásio, piscina retangular, quadras poliesportiva coberta e descoberta e sala de avaliação médica.

Pela proximidade, a vida de quem mora na Casa Verde acaba quase sempre passando pelo vizinho Limão. Ali está o Centro de Tradições Nordestinas. O famoso CTN é um pedacinho do Nordeste em São Paulo, com shows, restaurantes de comidas típicas, parque de diversões e lojas de artesanato. A festa junina é um dos eventos mais concorridos do espaço, com filas de carros se formando na ponte Júlio Mesquita quase até a avenida Francisco Matarazzo, na Pompéia, na outra margem do Rio Tietê. Outra atração do distrito são as suas tradicionais escolas de samba. O bairro é o berço de quatro delas: Império de Casa Verde, a Mocidade Alegre, Morro da Casa Verde e Unidos do Peruche.

Atual campeã do Carnaval paulistano, a Mocidade Alegre é a segunda escola com mais títulos no atual Grupo Especial de São Paulo. São 11 conquistas da agremiação fundada em 1967 por um grupo de amigos que veio de Campos, no interior do Rio de Janeiro. Na elite do samba, só a tradicional Vai Vai tem mais troféus do que a Vermelho e Verde da Casa Verde.

Fundada em 1956, a Unidos do Peruche é uma das mais antigas agremiações carnavalescas da cidade. Tem cinco títulos em sua história. Mas o último na elite foi conquistado no longínquo ano de 1967. Mas a ausência de vitórias não diminuiu o amor da comunidade pela escola. 

Bem mais nova que suas vizinhas co-irmãs, a Império de Casa Verde completa 30 anos no próximo Carnaval. Em três décadas de avenida, a escola que ficou famosa pelo enorme tigre mascote que abre seus desfiles conquistou três títulos no Grupo Especial: 2005, 2006, 2016.

Mais humilde do quarteto, a Morro de Casa Verde é a expressão de sua comunidade. Sem uma quadra para chamar de sua, a escola ensaia em frente a sua sede, localizada em uma esquina da avenida Engenheiro Caetano Álvares. Fundada em 1962, a verde e rosa de Casa Verde, homenagem à carioca Mangueira, esteve nove vezes no Grupo Especial, sendo a última em 2002, ano em que homenageou o pagodeiro Zeca Pagodinho. 

Gastronomia

A região da avenida Braz Leme, próxima à ponte da Casa Verde, ganhou boas novidades gastronômicas nos últimos anos. A proximidade com o Sambódromo e o Parque das Exposições do Anhembi atraiu nomes famosos para o bairro. O primeiro deles foi a unidade Anhembi da rede cearense Coco Bambu. Inaugurado em 2016, o restaurante famoso por seus generosos pratos de frutos do mar tem capacidade de 1250 lugares. Entre os mais pedidos do cardápio, estão o Camarão ao Coco, camarões refogados com tomate, cebola, pimentões e coentro na manteiga da terra e gratinado com queijo coalho e parmesão, e o Bacalhau à Lagareiro, assado no forno com azeite, alho confitado, cebola, ovos, tomate, azeitona azapa, batata, abóbora e brócolis. Acompanha arroz com brócolis.

Coladinho ao Coco Bambu, o Pasquim Bar também fincou sua bandeira na zona norte. A rede de bares com nome inspirada no irreverente jornal que com humor e sarcasmo desafiava a Ditadura Militar, chegou ali em janeiro de 2022. O ponto alto da casa são seus drinques que celebram  grandes nomes da música brasileira, como o João GILberto, coquetel em homenagem ao Pai da Bossa Nova que leva Gin, tônica Schweppes, carpaccio de pepino e alecrim e o Bebeu Gomes, Gin Pink, buque de hortelã, tônica Schweppes e morango fresco, homenagem ao guitarrista e membro dos Novos Baianos. A programação tem shows de sertanejo, pop e rodas de samba. 

Mais uma novidade é o Handz By Rodrigo Einsfeld. A casa do cozinheiro que ficou famoso por sua participação na versão profissional do reality show Masterchef serve comida italiana com toques caseiros. Morador do bairro e com passagens por renomadas cozinhas, como a do Arola 23, Einsfeld trouxe para o seu pedaço pratos como o atum com gergelim selado e servido com legumes na brasa e molho de vinagre balsâmico e o linguine com camarão, massa com molho delicado à base de azeite, vinho e ervas, cogumelos shiitake, tomate cereja e camarões médios cozidos. No almoço da semana, pelo mesmo preço o cliente pede o prato que vem acompanhado de salada de folhas, servida em uma delicada marmita de alumínio, e mousse de chocolate.

Para quem valoriza fartura a preços convidativos, a pedida é o Restaurante Fazenda São Paulo, na avenida Engenheiro Caetano Álvares. Em um salão amplo e arejado, a casa serve buffet com preço fixo com grande variedade de entradas, saladas e pratos da culinária brasileira e caipira. À noite, o feijão tropeiro e a vaca atolada ganham a companhia das redondas do rodízio de pizza.  

Alguns quarteirões dali está um dos empreendimentos da família Mocotó na ZN. Primeiro negócio do clã que tem o premiado chef Rodrigo Oliveira como seu membro mais ilustre, o Mocofava inaugurou sua unidade na Casa Verde em 2022. O restaurante de Gercino Almeida, irmão do Seu Zé do Mulungu, pai de Oliveira, é referência em comida nordestina de qualidade na região. Para quem está precisando de um gás no ânimo a sugestão é o drinque Tatupeba, combo de catuaba com jurubeba.

Os clientes da casa apelidaram a bebida de Roto Rooter, referência a uma empresa famosa pelos serviços de limpeza e desentupimento de fossas e encanamentos. O torresmo sequinho e carnudo é um clássico do cardápio, que oferece uma infinidade de pratos da culinária sertaneja e nordestina. Para fechar, não deixe de experimentar o famoso sorvete de tapioca com paçoca, um dos campeões de pedidos da casa.

Pet

Sem grandes parques em seu território, a principal área verde próxima à Casa Verde é o Parque da Juventude, em Santana. Instalado na área que ocupou o antigo Complexo Penitenciário do Carandiru, o parque conta com um “cachorródromo”. Trata-se de um espaço equipado com pneus, agility e obstáculos simples para que os animais possam brincar, correr e rolar com outros cães sem a necessidade do uso de guias e coleiras. No caso das raças mastim napolitano, pit bull, rottweiller e american staffordshire terrier é necessário atender à legislação municipal, que determina uso obrigatório de focinheira e enforcador.

Entre as praças da região que contam com os “parcães”, espaços cercados onde os bichos podem ficar sem coleiras e guias, estão: Dois de Dezembro, José Tomaselli Centenário. A exceção fica para as raças mastim napolitano, pit bull, rottweiller e american staffordshire terrier, que por lei municipal precisam usar focinheira e enforcador.

Na Casa Verde está localizado um dos cinco hospitais veterinários públicos da cidade. A prioridade de atendimento é para a população de baixa renda beneficiada por programas sociais. Mas todo cidadão pode acessar o serviço. Os procedimentos são realizados conforme disponibilidade de vaga e priorização dos casos de Urgência e Emergência. Os hospitais oferecem consultas, cirurgias, exames laboratoriais e internação. No total são sete especialidades: oftalmologia, cardiologia, endocrinologia, neurologia, oncologia, ortopedia e odontologia. Todos gratuítos. 

Segurança

Aos poucos, a Casa Verde vai mudando sua paisagem. Até 20 anos atrás era difícil encontrar prédios em seu perímetro. Hoje a verticalização segue a pleno vapor com a chegada de condomínios de médio e alto padrão, especialmente nas proximidades da ponte que dá nome ao bairro. Esse novo perfil traz também algumas preocupações. No primeiro semestre de 2022, o 13º DP do bairro registrou 59 ocorrências de roubos e furtos nas residências da área, o que inclui veículos roubados ou furtados nas garagens de casas e apartamentos do distrito, segundo levantamento realizado por Imóveis do Estadão com base nos dados da Secretaria de Segurança Pública do Estado.

Esse ano houve uma razoável queda nesses números. De janeiro a junho de 2023, foram 42 ocorrências desse tipo, uma queda de 30% se comparado ao mesmo período do ano passado. E apesar dos novos condomínios verticais, as casas ainda lideram a estatística. 

Mas a Casa Verde ainda é um lugar bem tranquilo para se viver. O bairro não está entre os primeiros da cidade nos rankings de roubos e furtos de celulares, veículos e até mesmo residências. De janeiro de 2022 até setembro deste ano, apenas dois homicídios foram registrados no DP da região, um em julho e outro em agosto de 2023.

Localização 

Situada na zona norte da cidade, a Casa Verde faz fronteira com os bairros de Santana, Limão e Imirim. Está localizada a 8,9 quilômetros da Praça da Sé; a 7,1 quilômetros do Terminal Rodoviário do Tietê; a 20 quilômetros do Aeroporto de Congonhas e a 30,9 quilômetros do Aeroporto Internacional de Guarulhos. Suas principais vias de acesso e circulação são a Marginal do Rio Tietê e as avenidas Engenheiro Caetano Álvares, Casa Verde, Braz Leme e Ordem e Progresso.  

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Depois dos 41 imóveis da Pernambucanas, São Carlos Empreendimentos quer mais lojas de rua

1 minuto de leitura
Imagem destacada

O que é o tijolo sustentável e quais as suas vantagens?

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Quando a queda na Selic vai impactar financiamento de imóveis?

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Confira 7 dicas para manter a casa quentinha no inverno

4 minutos de leitura