Arquitetura Sustentável

Cientistas criam concreto cósmico para facilitar construções em Marte

Iniciativa quer tornar colonização espacial mais simples, barata e eficiente

Por:Breno Damascena 10/04/2023 3 minutos de leitura
concreto-espacial-marte
StarCrete pode ser feito em forno comum ou microondas, o que diminuiria os custos de energia para produção/ Crédito: Getty Images

Publicidade

Pesquisadores da Universidade de Manchester, na Inglaterra, criaram uma espécie de concreto feito com amido de batata, sal e poeira de marte. Batizado de ‘StarCrete‘, o material quer substituir os métodos construtivos atuais para tornar a construção em ambientes extraterrestres mais simples e menos custosa. A proposta do concreto cósmico é revolucionar o processo de colonização espacial.

Um artigo publicado na revista científica Open Engineering mostra como a técnica – que se baseia na utilização de tecnologia robusta, mas acessível – pode potencializar a presença humana nas superfícies da Lua e de Marte. Um dos principais desafios superados pela inovação é justamente a criação de materiais de alta resistência, mas que suportam a radiação – sem que isso demande tanta energia. 

Em entrevista exclusiva ao Estadão Imóveis, Aled Roberts, pesquisador do Future Biomanufacturing Research Hub, da Universidade de Manchester, e pesquisador principal deste projeto, explica que o mais difícil é encontrar uma maneira de transformar a poeira de Marte em um material forte e estável. “Já nasceram várias ideias sobre como conseguir isso, mas a maioria apresenta problemas”, contextualiza. 

“Elas precisam de muita energia, de materiais específicos para serem extraídos ou de equipamentos muito pesados e complexos para levar ao terreno de Marte”, enumera o cientista. “O StarCrete resolve a maioria desses problemas, pois o método permite que se use as batatas extras ou outro alimento rico em amido, que já seriam levados para alimentar a população, para também fazer um material de construção.”

Publicidade

Além de ser mais prático para os astronautas, StarCrete é uma alternativa mais ecológica ao concreto tradicional/ Crédito: Divulgação

Na prática, o item biocomposto aguenta a compressão de 91,7 e 72,0 MPa (unidade de medida de pressão do sistema internacional), o que o caracteriza como um concreto de alta resistência (>42 MPa). Para efeitos de comparação, o StarCrete demonstrou resistência à flexão em terreno lunar e marciano em 2,1 e 8,4 MPa, respectivamente, comparável ao concreto tradicional (2,5–4,5 MPa).

Evolução a longo prazo

O concreto cósmico feito de amido de batata, sal e poeira espacial como se vê agora não foi a primeira tentativa de utilizar elementos de fácil manuseio em território espacial. O trabalho anterior da equipe de pesquisadores de Manchester utilizava o sangue e a urina dos astronautas como agente de ligação. Embora o material resultante tivesse boa resistência à compressão, a desvantagem de exigir sangue regularmente dificultou muito o processo.

Daí veio a escolha por um material que os astronautas teriam em abundância e não prejudicaria a saúde de ninguém. “ O amido é um elemento que tem sido historicamente usado como aglutinante. Usamos ele para ‘colar’ o pó da Lua/Marte e fazer um material forte e sólido”, esclarece Roberts. “A adesão se deve a um tipo de ligação conhecida como ‘ligação de hidrogênio” ‘, detalha o cientista.

Próximos passos até a decolagem

O StarCrete ainda está em fase de consolidação e Roberts comenta que agora a equipe de desenvolvimento está em vias de realizar mais testes em um ambiente simulado para entender como deixar o material ainda mais adaptado para o espaço. “Queremos calcular qual é a quantidade mínima de amido que pode ser usada para fazer um material forte o suficiente e poderíamos economizar batatas no processo”, explica. 

Publicidade

Atualmente, a equipe avalia que um saco de 25 Kg de batatas desidratadas contém amido suficiente para produzir quase meia tonelada de StarCrete, o que equivale a mais de 213 tijolos. O sal comum, obtido da superfície marciana ou das lágrimas dos astronautas, ainda ajuda a melhorar a resistência do material. Para implementar esses avanços, a equipe liderada por Roberts criou a startup DeakinBio.

Equipe Future Biomanufacturing Research Hub, da Universidade de Manchester, continua desenvolvendo o concreto cósmico para que ele se torne cada vez mais sustentável/ Crédito: Enna Bartlett/ Divulgação

Entre as ambições da companhia está desenvolver o StarCrete até ele se tornar uma alternativa sustentável para ser utilizada também na Terra. “No momento, o grande problema do nosso concreto é o fato de ser sensível à água, o que não é um problema na Lua e em Marte, que são extremamente secos”, explica. “Mas já temos algumas ideias de como superar esse desafio por aqui”, promete.

NEWSLETTER
IMÓVEIS

Inscreva-se e receba notícias atualizadas do mercado de imóveis

Notícias relacionadas

Imagem destacada

Empresas fazem 'retrofit' de escritórios para o novo normal pós-pandemia

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Com mais de 1 milhão de seguidores, Sophia Martins aposta em redes sociais para se destacar na área

1 minuto de leitura
Imagem destacada

Ter mais espaço é diferencial na busca por imóvel no Brasil

2 minutos de leitura
Imagem destacada

Confira os cuidados essenciais para pintar a casa no inverno

2 minutos de leitura